Estudo detecta água no interior de cristais sobre superfície da Lua

Cientistas analisaram amostras colhidas em missões espaciais da Nasa.
Ventos solares podem ter ‘carregado’ restos de água para satélite natural.

A superfície da Lua contém cristais com restos de água em seu interior, substância que pode ter chegado até o satélite natural através do vento solar, segundo estudo publicado neste domingo (14) na revista científica “Nature Geoscience”.

A geóloga Yang Liu e seus colegas da Universidade do Tennessee, dos Estados Unidos,  analisaram amostras da superfície lunar colhidas do satélite pelas missões Apollo, a maioria delas pelo astronauta Neil Armstrong, e acharam restos de água em alguns de seus componentes.

“Quando as pessoas pensam em água, sempre imaginam em estado líquido, em rios, lagos ou oceanos. Mas algo que não costumamos reconhecer é que existe uma grande quantidade de água armazenada em minerais”, explicou Liu.

Ainda segundo a geóloga, os minerais do manto terrestre contêm, pelo menos, a mesma quantidade de água que um oceano, e algo similar pode acontecer na Lua. Análises posteriores revelaram algo similar entre estes restos de água e os íons de hidrogênio presentes no vento solar, o que sugere que este vento foi o responsável por transportar íons de hidrogênio até a Lua. Uma vez ali, estas moléculas ficaram armazenadas em forma de água no interior das amostras analisadas.

Imagem da superfície lunar onde as amostras analisadas por pesquisadores foram coletadas pela missão Apollo. (Foto: Divulgação/Nasa)Imagem da superfície lunar onde as amostras analisadas por pesquisadores foram coletadas pela missão Apollo. (Foto: Divulgação/Nasa)

Sem proteção contra impacto dos ventos solares
O vento solar contém uma grande quantidade destes íons, que não chegam a tocar a Terra porque a atmosfera e o campo magnético terrestre o impedem, mas no caso da Lua não há nada que proteja sua superfície, por isso que o vento solar impacta continuamente contra ela. “Nos últimos anos, fomos testemunhas de uma mudança de paradigma em nossa visão ‘sem água’ da Lua”, afirmou Liu.

Segundo a investigadora, cada cristal analisado conteria entre 200 e 300 partes por milhão de água e hidroxilo – uma molécula que se obtém ao diminuir um átomo de hidrogênio à água. O achado permitiu aos cientistas conhecerem uma nova fonte na qual os planetas do interior do Sistema Solar (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte) e seus satélites poderiam obter água.

Liu e seus colegas defendem que um mecanismo similar a este poderia acontecer em outros corpos sobre cujas superfícies o vento solar incide, como Mercúrio ou o asteroide Vesta. “O bombardeio do vento solar é um processo constante. Na atualidade, necessitamos reconsiderar nosso conceito de presença de água em novos lugares do Sistema Solar’, argumentou Liu.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s