Sistema anti-bêbado detecta embriaguez com câmera termal

Vinte e um pontos foram determinados pelos pesquisadores como capazes de atestar com precisão se uma pessoa está bêbada ou não. [Imagem: Koukiou/Anastassopoulos]

Sistema anti-bêbado detecta embriaguez com câmera termal

Sistema anti-bêbado

Bêbados não se dão tão bem com os bafômetros quanto com os bicos das garrafas, mas logo isso não será mais um problema para as autoridades.

Uma nova tecnologia de imageamento termal poderá ser usada para identificar os bêbados ainda no estacionamento, antes mesmo que eles peguem na direção.

Dois pesquisadores gregos desenvolveram um software que consegue determinar de forma objetiva se alguém consumiu uma quantidade excessiva de álcool baseando-se unicamente nas diferenças de temperatura entre as diversas partes do rosto da pessoa.

O “mapa de temperatura” da face nada mais é do que uma foto digital tirada por uma câmera infravermelha, sensível ao calor.

Vermelho de álcool

Georgia Koukiou e Vassilis Anastassopoulos, da Universidade de Patras, fazem questão de salientar a objetividade do seu método, em contraposição a avaliações subjetivas do estado do estróina, o que permitirá o uso da medição pelas autoridades como evidência da embriaguez.

Como o álcool causa uma dilatação dos vasos sanguíneos na superfície da pele, a embriaguez faz surgirem “pontos quentes” no rosto que podem ser detectados com uma câmera termal.

A técnica baseia-se na medição dos valores dos pixels equivalentes a pontos específicos da face.

A seguir, o nível de embriaguez pode ser determinado por dois métodos: pela comparação dos valores lidos com os valores de uma base de dados de pessoas sóbrias e embriagadas, ou pela avaliação apenas do rosto do suspeito, comparando os valores sobretudo da testa e do nariz.

O programa é uma variação de uma técnica similar, que foi usada recentemente em vários aeroportos para detectar se uma pessoa estava com febre, podendo ser portadora da gripe suína.

Bibliografia:

Drunk person identification using thermal infrared images
Georgia Koukiou, Vassilis Anastassopoulos
International Journal of Electronic Security and Digital Forensics
Vol.: 4, 229-243

FONTE: Inovação Tecnológica

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s