CONTROVÉRSIAS, o Universo pode não estar se expandindo tão rapidamente

Supernovas Tipo Ia

Astrônomos descobriram que as supernovas usadas para medir as grandes distâncias no Universo não são todas do mesmo tipo.

Universo pode não estar se expandindo tão rapidamente

Isto altera o entendimento sobre a velocidade e a aceleração da expansão do Universo, uma vez que toda a teoria atual se fundamenta nessas supernovas, conhecidas como Tipo Ia.

Os novos resultados sugerem que a aceleração da expansão do universo pode não ser tão rápida como se acreditava, o que tem implicações diretas sobre a força hipotética conhecida como energia escura, que seria responsável por essa aceleração.

Aceleração da expansão do Universo

A expansão do Universo foi descoberta por Lemaitre há quase um século.

Mas que essa expansão está aumentando de velocidade é algo que só ganhou grande aceitação entre os físicos depois que o Prêmio Nobel de Física de 2011 foi concedido a três pesquisadores que estudaram as supernovas Ia – em 1998 – e perceberam que aquelas mais distantes apresentam um brilho mais fraco do que o esperado.

Mas uma equipe liderada por Peter Milne, da Universidade do Arizona, descobriu agora que nem todas as supernovas Ia são iguais, tendo sido identificados pelo menos dois grupos com características – e brilhos – distintos.

“Existem diferentes populações [de supernovas Ia] lá fora, e elas não foram reconhecidas. A grande hipótese foi de que as supernovas do Tipo Ia são as mesmas conforme você se afasta. Esse não parece ser o caso”, disse Milne.

A ideia por trás do raciocínio mais aceito atualmente é que supernovas do Tipo Ia teriam Universo pode não estar se expandindo tão rapidamentetodas o mesmo brilho – todas seriam muito semelhantes depois de explodirem. Assim, a identificação de algumas delas com brilho mais fraco do que o esperado levou à conclusão de que elas estariam se afastando cada vez mais rapidamente. Foi então que surgiu a hipótese da energia escura, para justificar essa aceleração da expansão.

“Como elas têm um brilho mais fraco do que o esperado, isto levou as pessoas a concluírem que elas estão mais longe do que o esperado, e isso, por sua vez, levou à conclusão de que o universo está se expandindo mais rápido do que no passado,” acrescentou Milne.

Tipos de supernovas

Milne e seus colegas observaram uma grande amostra de supernovas Ia em luz ultravioleta e em luz visível, combinando dados captados pelo telescópio espacial Hubble com outros captados pelo telescópio Swift, que detecta até radiações na faixa dos raios gama.

Os dados mostram que as supernovas Ia variam ligeiramente no sentido do vermelho ou do azul do espectro. As diferenças são sutis na luz visível, que tinha sido usada pelos ganhadores do Nobel, mas tornaram-se evidentes através das observações do Swift na faixa do ultravioleta.

A equipe concluiu que ao menos uma parte da aceleração da expansão do universo pode ser explicada por diferenças de cor entre os dois grupos de supernovas. Isto, por decorrência, exige menos energia escura do que se assume atualmente.

“Estamos propondo que os nossos dados sugerem que pode haver menos energia escura do que está nos livros didáticos, mas não podemos colocar um número nisso,” disse Milne. “Para obter uma resposta final, será necessário fazer todo aquele trabalho novamente, separadamente para a população de [supernovas Ia] vermelhas e azuis.”

Controvérsias

Em 2011, um estudo de astrônomos brasileiros questionou a aceleração do Universo, sobretudo porque não há uma comprovação direta da teoria.

Em 2013, um cosmologista alemão foi ainda mais longe, defendendo que o Universo não está nem mesmo expandindo, menos ainda se acelerando.

Em 2014, pesquisadores chineses elaboraram uma nova técnica que eles acreditam poder ser usada para avaliar de uma vez por todas se o Universo está mesmo acelerando ou não, uma técnica que não depende das supernovas Ia.

Bibliografia:

The Changing Fractions of Type ia Supernova Nuv-optical Subclasses with Redshift
Peter A. Milne, Ryan J. Foley, Peter J. Brown, Gautham Narayan
The Astrophysical Journal
Vol.: 803, 1, 20
DOI: 10.1088/0004-637X/803/1/20

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s