A vida na Terra é um fenômeno antigo, mais antigo que pensávamos ?

A vida na Terra é um fenômeno antigo, com microfósseis datados de até 3,5 bilhões de anos atrás. A investigação de amostras mais antigos é limitada pelo escasso registro e pelo processo de metamorfose que o material sofre ao longo dos anos. Assim, tem sido difícil avaliar a habitabilidade da biosfera terrestre em períodos anteriores a 3,8 bilhões de anos. Apesar da ausência de registros de rocha anterior a 4,0 bilhões de anos, detritos de zircônio datando de 4,3 bilhões de anos já foram identificados. Nesse contexto, alguns estudos sugerem a possibilidade de um planeta habitável durante o período Hadeano na Terra, ou seja, há mais de 4,0 bilhões de anos atrás.
Para investigar esta hipótese, é possível estudar regiões microscópicas de dentro de um único grande cristal de zircão, o qual potencialmente contém material carbonáceo constituído de grafite (um mineral de carbono). Zircônios crescem em magmas, muitas vezes incorporando outros minerais nas suas estruturas de cristal de silício, oxigênio. E, embora eles mal abrangem a largura de um cabelo humano, são quase indestrutíveis. Eles podem durar mais que as rochas em que inicialmente foram formados, suportando múltiplos ciclos de erosão e deposição.
Embora as rochas mais antigas da Terra datam de aproximadamente 4 bilhões de anos, os pesquisadores do recente artigo publicado na PNAS relatam a descoberta de zircões de até 4,4 bilhões de anos de idade. Estes cristais fornecer um raro vislumbre do primeiro capítulo da história da Terra, conhecida como Hadeano.
No estudo, Bell e seus colegas examinaram zircões do Jack Hills, localizado Austrália Ocidental, um local que tem rendido mais amostras Hadeano do que em qualquer outro lugar na Terra, em busca de inclusões de carbono como diamante e grafite. A mera presença destes minerais não demonstra que a biologia existia quando os zircões foram formados, mas fornece a oportunidade para procurar por sinais químicos da vida. A equipe finalmente encontrou pequenos pedaços de grafite potencialmente imperturbável em um cristal de 4,1 bilhões anos de idade. O grafite encontrado apresentou uma baixa relação de carbono pesado com relação ao carbono leve — chamada de razão isotópica –, e que é consistentes com a tese da presença de matéria orgânica no período Hadeano na Terra.


Os autores listam vários processos não biológicos que poderiam explicar suas descobertas, mas defendem a ideia de que o grafite começou como matéria orgânica nos sedimentos que foram sendo arrastados para o manto da Terra durante a colisão de placas tectônicas. Conforme os sedimentos fundiram para formar o magma, as temperaturas elevadas e pressões transformaram o carbono em grafite, que finalmente encontrou o seu caminho em direção a um cristal de zircão.
Se esta história é verdade, e a vida existiu 4,1 bilhões de anos atrás, Bell diz que estas novas evidências corroboram a crescente tese defendida que a Terra teria tido se tornado mais hospitaleira ainda mais cedo do que alguns pensam. A pesquisadora adiciona: “A visão tradicional da Terra nos primeiros cem milhões de anos, é de um local estéril e sem vida, constantemente quente e bombardeada por meteoritos”. Mas, em parte, graças à riqueza de informações reveladas pelos zircões de Jack Hills, nos últimos anos, os cientistas passaram a ver a Terra primitiva como um período mais suave e mais propícios à vida.
*Resmumo do artigo publicado
Evidência da vida na Terra é manifestamente preservada no registro rochoso. No entanto, o registro de microfossil só se estende até ~3.5 bilhões de anos, e o registro quimio-fóssill indiscutivelmente a ~3.8 bilhões de anos, e o disco de rocha a 4,0 bilões. Zircões detríticos de Jack Hills, uma faixa de Austrália Ocidental, contém zircões de até 4,4 bilões de anos. Tomando um conjunto de mais de 10.000 zircões obtidos em Jack Hills, identificamos amostras de zircão de 3,8 bilões de anos que contém inclusões de grafite primários. Aqui, nós relatamos medições isotópicas de carbono sobre estas inclusões em uma concordantes, estimados em 4,10 ± 0,01 bilhões de anos. Nós interpretamos essas inclusões como fator principal devido ao seu enclausuramento conforme mostrado por microscopia de transmissão de raios-X e seu padrão de cristal. A estimativa d13CPDB de -24 ± 5 % é consistente com uma origem biogênica e pode ser uma evidência de que a biosfera terrestre tenha emergido aproximadamente em 4,1 bilhões de anos atrás, ou ~300 milhões de anos mais cedo do que foi proposto anteriormente.

VIA: FANPAGE ORIGEM DA VIDA (FACEBOOK)

Fontes
– Rosen J., Scientists may have found the earliest evidence of life on Earth, http://news.sciencemag.org/
– Bell et al., Potentially biogenic carbon preserved in a 4.1 billion-year-old zircon, 2015, PNAS, http://www.pnas.org/content/early/2015/10/14/1517557112
[Imagem: Jack Hills, Australia. de Robert Simmon, baseado em dados obtidos pela o Global Land Cover Facility, da Universidade de Maryland]

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s