Conceito de Zona Habitável será revisto após estudo com anãs vermelhas

exovolcano1920x1080-00033-1041

YARA LAIZ SOUZA – A busca por vida em outros planetas tem dado passos importantes. Um dos caminhos que os cientistas têm tomado é a procura por planetas que estão nas zonas habitáveis de suas estrelas. Uma pesquisa da NASA concluiu que essa busca pode acabar em falhas uma vez que algumas dessas zonas podem não ser capazes de suportar vida por conta das erupções das estrelas, principalmente as anãs vermelhas, soltando radiação e partículas danosas para os planetas.

Isso significa que o conceito de zona habitável precisa ser revisto: atualmente consideramos uma zona habitável a distância média que possa tornar possível a presença de atmosfera desenvolvida e água líquida na superfície de um planeta. Com o resultado de que as anãs vermelhas acabam dificultando a vida nos planetas que estão em suas zonas habitáveis, uma equipe da NASA pretende buscar uma nova definição para habitabilidade ao redor dessas estrelas.

611222main_find-planets3_lg.jpg__600x600_q85_subsampling-2

Algumas das atuais sonas habitáveis 

“Se queremos encontrar um exoplaneta que possa desenvolver e sustentar a vida, devemos descobrir quais as estrelas que fazem o papel de melhores pais” afirma Vladimir Airapetian, autor do estudo e cientista na Goddard Space Flight Center da NASA. “Estamos chegando mais perto de entender que tipo de estrelas progenitoras precisamos concentrar nossas atenções”.

A determinação de uma zona habitável tem sido feita pela consideração de quanto calor e luz a estrela emite. Estrelas mais massivas quanto o nosso Sol emitem muito calor e luz e, por tanto, suas zonas habitáveis são mais distantes; estrelas menores emitem pouca luz e calor e suas zonas habitáveis são calculadas mais próximas.

A emissão de raios X e radiação ultravioleta também são produtos das emissões de uma estrela e são bastante prejudiciais. Um efeito comum é a erosão da atmosfera, efeito esse que acontece em Marte, mas por outro motivo: o campo eletromagnético do planeta já não funciona bem há bastante tempo. No caso dos exoplanetas ao redor das anãs vermelhas, a erosão arrasta as moléculas atmosféricas como hidrogênio e oxigênio para o espaço profundo. Assim, a atmosfera fica abalada e a formação de água líquida na superfície fica comprometida.

Buscar planetas habitáveis ao redor de estrelas anãs vermelhas tem sido bastante grande uma vez que elas são as mais populosas no universo. “No lado negativo, as anãs vermelhas também são propensas a eupções estelares mais frequentes e poderosas do que o nosso Sol”, diz William Danchi, astrônomo da Goddard e co-autor do estudo. “Para avaliar a habitabilidade dos planetas ao redor dessas estrelas, precisamos entender como esses vários efeitos se equilibram”.

Um primeiro passo para a modelação do novo conceito de zona habitável é calcular a taxa de perda de oxigênio ao redor das anãs vermelhas. Basicamente, as zonas habitáveis terão duas definições: a clássica, que serve para estrelas mais maduras como o nosso Sol e a nova, que servirá para as estrelas menores cujo clima ambiente é bastante caótico e com muitas erupções.

Este novo modelo tem implicações diretas com o nosso vizinho Próxima b, que orbita a estrela Próxima Centauri. Considerando que o planeta está bem próximo da sua estrela hospedeira, a estimativa é de que Próxima b seja submetido a fortes descargas de raios X e radiação ultravioleta a cada duas horas. O oxigênio do planeta escaparia para o universo em 10 milhões de anos. Além disso, as partículas emitidas pela estrela possivelmente deixaram o clima do planeta muito complicado. As chances de Próxima b ser habitável são quase nulas.

“Temos resultados pessimistas para planetas em torno de jovens anãs vermelhas neste estudo, mas também temos uma melhor compreensão de quais estrelas têm boas perspectivas de habitabilidade”, explica Airapetian. “À medida que aprendemos mais sobre o que precisamos saber de uma estrela hospedeira, parece que cada vez mais o nosso Sol é só mais uma daquelas estrelas-mãe perfeitas para o sustento da vida que conhecemos”, finaliza.

Via Astrobiology Magazine

 

 

Anúncios

One thought on “Conceito de Zona Habitável será revisto após estudo com anãs vermelhas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s